O Projeto Pedagógico E As Adaptações Curriculares

Um bom ambiente escolar passa necessariamente pelas questões básicas das características que deve ter uma Sala de Aula Inclusiva. Estratégias metodológicas e ações pedagógicas, permitindo aos alunos o acesso igualitário a um currículo básico, rico e uma práxis pedagógica de qualidade. Planos para incluir alunos com necessidades educacionais especiais estejam presentes no Projeto Político-Pedagógico (PPP), já que toda escola deve ter definida, para si mesma e para sua comunidade escolar, uma identidade e um conjunto orientador de princípios e de normas que iluminem a ação pedagógica cotidiana, com sua perspectiva estratégica, não apenas em sua dimensão pedagógica, conjunto de princípios que norteiam a elaboração e a execução dos planejamentos, envolvendo diretrizes mais permanentes e bem definidas, evita-se a improvisação, serviço malfeito, perda de tempo e de dinheiro.

Nas Adaptações Curriculares teremos um conjunto de modificações que se realizam nos objetivos, conteúdos, critérios e procedimentos de avaliação, atividades e metodologias para atender às diferenças individuais dos alunos. Veja alguns apontamentos de como deve ser uma Sala de Aula Inclusiva tanto para os alunos com necessidades educacionais especiais, quanto para os demais alunos:

  • Promover práticas mais cooperativas e menos competitivas em sala de aula;
  • Estabelecer rotinas de participação igual e plena a todo o grupo;
  • Preocupar-se em garantir em todas as atividades da sala de aula as acomodações necessárias à participação de todos (ativamente);
  • Difundir valores em sala de aula: respeito, solidariedade, cooperação etc;
  • Incentivar o desenvolvimento de redes de apoio (grupo de pessoas que se reúnem para debater, resolverem problemas, trocarem ideias, métodos, técnicas e atividades, com o objetivo de ajudar tanto os alunos, quanto os professores das salas de aula inclusivas;
  • Flexibilizar as práticas de sala de aula para responderem aos desafios de apoiarem os alunos com dificuldades de aprendizagem;
  • Atuar numa postura de ensino inclusivo: espontânea e com a coragem necessária para assumir os riscos que forem se apresentando;
  • Trabalhar em equipes, desenvolvendo novas habilidades e promovendo uma educação de qualidade a todos os alunos;
  • Examinar e adotar várias abordagens de ensino, para trabalhar com alunos com diferentes níveis de desempenho;
  • Reavaliar as práticas e determinar as melhores maneiras possíveis de promover a aprendizagem ativa para os resultados educacionais desejáveis.

As adaptações curriculares devem ser precedidas de uma rigorosa avaliação do aluno nos seguintes aspectos: competência acadêmica; desenvolvimento biológico, intelectual, motor, linguístico, emocional, competência social e interpessoal; motivação para os estudos, entre outros que indiquem ser as adaptações realmente indispensáveis a sua educação; é imprescindível que se analise o contexto, escolar e familiar, a fim de que possa haver mudanças adaptativas necessárias à educação do aluno; as avaliações relativas às condições do aluno e do seu contexto escolar e familiar devem ser realizadas pela equipe docente e técnica da unidade escolar, com a orientação do corpo dirigente, contando com o apoio da DRE/Secretarias de Educação (dirigente da Educação Especial) da localidade, se necessário; as adaptações curriculares devem estar contextualizadas e justificadas em registros documentais que integram a pasta do aluno; as programações individuais do aluno devem ser definidas, organizadas e realizadas de modo a não prejudicar sua escolarização, seu sucesso e promoção escolar, bem como  sua socialização.

Foto: Google Imagem

Por causa de uma asfixia durante o parto, o Professor Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programão Neurolinguística . Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de 65 títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.

Deixe uma resposta